Apoio em Regime de Ambulatório

A resposta social Apoio em Regime de Ambulatório destina-se a pessoas com Paralisia Cerebral e/ou situações neurológicas afins e suas famílias através de atividades de avaliação, orientação, intervenção terapêutica e socioeducativa, desenvolvidas através da equipa interdisciplinar da APCB. Os objetivos desta resposta social visam:
  • Criar condições facilitadoras do desenvolvimento global da pessoa com Paralisia Cerebral e/ou situações neurológicas afins;
  • Promover a integração social, designadamente, escolar, laboral e comunitária;
  • Implementar programas aumentativos e alternativos de comunicação, de autonomia, de orientação, de mobilidade e de apoio às entidades onde se insere a população abrangida;
  • Otimizar as condições de interação familiar;
  • Envolver a comunidade no processo de intervenção de forma contínua e articulada, otimizando os recursos existentes e as redes formais e informais de interajuda.

A avaliação e o treino de competências no acesso ao computador são áreas de intervenção desenvolvidas no Apoio em Regime de Ambulatório

O modelo de intervenção da APCB pressupõe um acompanhamento terapêutico, de acordo com as necessidades da pessoa com Paralisia Cerebral, advindas da sua condição. Sendo uma resposta específica e especializada na Paralisia Cerebral, cobre indivíduos com mais de 6 anos, com diagnóstico de Paralisia Cerebral e/ou situações neurológicas afins. A responder às necessidades destes clientes estão equipas interdisciplinares, constituídas pelas áreas técnicas de Terapia Ocupacional, Terapia da Fala, Fisioterapia, Serviço Social, Psicologia e Fisiatria.

Os atendimentos realizados na resposta social Apoio em Regime de Ambulatório têm uma duração de 50 minutos, sendo que os mesmos iniciam-se muitas vezes a caminho das salas de atendimento, através da escolha de um jogo a explorar, interagindo com quem passa no corredor, e corrigindo aspetos relacionados com a marcha ou treino de deslocação em cadeira de rodas. O vídeo que se segue apresenta uma perspetiva deste trabalho pelos próprios olhos de um cliente da APCB:


Os principais aspetos da intervenção delineada na APCB estão compilados num documento construído para o efeito - Plano de Desenvolvimento Individual. Este constitui um guia orientador de todo o trabalho desenvolvido, sendo alvo de monitorizações ao longo do ano, no sentido de verificar a consecução dos objetivos definidos.

O caderno de comunicação é uma estratégia de implementação dos Sistema Aumentativos e Alternativos de Comunicação que potenciam a comunicação entre todos, aproximando as pessoas independentemente da sua capacidade de articulação (exemplar elaborado na APCB)

No âmbito da resposta social Apoio em Regime de Ambulatório, a APCB presta aos seus clientes os seguintes serviços:
  • Cuidados de saúde, nos quais se incluem consultas médicas de fisiatria regulares, acompanhamento em fisioterapia, terapia ocupacional, terapia da fala e psicologia
  • Apoio social, no qual se inclui o acompanhamento técnico por profissionais de Serviço Social
  • Atividades de desenvolvimento pessoal e social, nas quais se incluem atividades culturais, desportivas, intelectuais/formativas e sociais
  • Atividades de estimulação sensorial, integrantes no apoio terapêutico prestado ao nível da fisioterapia, terapia ocupacional e terapia da fala
  • Atividades no domicílio, através dos atendimentos realizados no exterior, nos contextos de vida dos clientes acompanhados na resposta social

O estudo do posicionamento e implementação de soluções que visem a sua correta implementação nas atividades significativas para o cliente são aspetos centrais na intervenção desenvolvida pela APCB (as cores sinalizam o posicionamento correto (verde) e a melhorar (laranja))
O envolvimento da família/cuidadores em todo o processo, nomeadamente na participação nas sessões terapêuticas e intervenções realizadas nos contextos de vida, permite uma aferição de estratégias específicas, que potenciam o desenvolvimento e o alcance dos objetivos delineados. Frequentemente é solicitada a presença dos técnicos em consultas de especialidade médica, no sentido de receber e partilhar estratégias que permitam potenciar o desenvolvimento.

Estudo de estratégia de posicionamento na APCB (à esquerda) e aplicação da estratégia em casa do cliente (à direita)

Intervenção Integrada
As ações de Intervenção Integrada são um momento privilegiado para os técnicos da resposta social Apoio em Regime de Ambulatório planificarem e desenvolverem atividades que complementem os atendimentos regulares das diversas áreas de intervenção. As ações de Intervenção Integrada permitem que os técnicos se desloquem aos domicílios, aos contextos educativos, laborais ou de outro tipo, alargando a abrangência da implementação das ações que irão permitir o desenvolvimento e participação da pessoa com Paralisia Cerebral e situações neurológicas afins.
Através dos Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação é possível ultrapassar barreiras de comunicação
Avaliações em Equipa Interdisciplinar
Cada cliente integrado na resposta social Apoio em Regime de Ambulatório realiza, anualmente, uma avaliação em equipa técnica, com profissionais da áreas de Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Terapia de Fala, Psicologia e Serviço Social. A avaliação em equipa é um momento privilegiado para que clientes, cuidadores e profissionais se debrucem sobre o perfil funcional e de participação dos clientes, analisem os aspetos mais importantes da intervenção desenvolvida até ao momento e tracem novos objetivos e projetos a alcançar.
A possibilidade de avaliar cada cliente com profissionais de especialidades diferentes permite a construção de uma abordagem holística ao desenvolvimento da pessoa com Paralisia Cerebral e/ou situações neurológicas afins
Fontes
Imagens: A APCB agradece a todos os clientes, famílias e colaboradores por cederem gentilmente a sua imagem na divulgação do trabalho desenvolvido pela organização.